segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Minha Deusa da Lunação – 27/01 a 26/02/ 2017: Xochiquetzal

"Reserve um tempo para apreciar todas as alegrias da vida"
Kris Waldherr



Os astecas, um povo que regeu um vasto império no México durante a Idade Média, acreditavam numa deusa das flores a quem chamavam de Xochiquetal. A flor sagrada da deusa era o cravo-de-defunto amarelo; seu nome significa “flor de penas”, numa referência às muitas pétalas em forma de penas de cravo-de-defunto. Uma  das mais felizes divindades astecas, Xochiquetzal também era a deusa da dança, da música, do artesanato e do amor. O seu irmão gêmeo, Xochipilli, era reverenciado como deus do prazer.

Xochiquetzal vivia no topo de uma montanha , acima dos nove céus. Esse jardim repleto de flores era povoado  por anões alegres, donzelas, dançarinas e músicos. Os astecas acreditavam que qualquer pessoa que fosse fiel à deusa passaria a eternidade no seu paraíso depois que a sua vida terminasse.

Texto retirado do livro “Oráculo Sagrado das Deusas”, de Kris Waldherr


Mônica Azevedo

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Minha Deusa de 2017 - Virgem Maria


Maria é a mãe de Jesus Cristo, um dos aspectos mais adorados da Grande Mãe. É considerada a figura feminina mais importante no cristianismo, por ter dado a luz ao criança salvadora. Os seus fiéis a procuram para pedir conforto e cura para seus sofrimentos, pois Maria é a mãe acolhedora, aquela que consola e não desampara seus filhos. No “Goddess Guidance Oracle Cards”, Doreen Virtue nos lembra que podemos recorrer a Virgem Maria quando precisarmos ajudar alguma criança. Maria sempre está pronta para confortar seus filhos, desde que eles tenham fé de que ela pode curar as suas dores.

Feliz 2017 a tod@s!

Monica Azevedo

domingo, 4 de dezembro de 2016

Minha Deusa da Lunação - 29/11 a 29/12/16: Inanna

Inanna, a grande deusa da Era do Bronze, era adorada como a rainha do céu. Algumas pessoas acreditavam que ela se vestia com estrelas. Seu nome se traduz por “Rainha da Lua”; a história da sua descida aos infernos e volta deles explica sua conexão com este corpo celestial.

A irmã de Inanna, Ereshkigal, era a deusa da morte. Certo dia, Inanna desceu ao país dos mortos para visitar a irmã. Mas em vez de mostrar hospitalidade, Ereshkigal matou a irma e pendurou seu cadáver numa estaca. Enquanto Inanna estava presa a uma armadilha embaixo da terra , a lua desapareceu do céu noturno; todas as coisas pararam de crescer. Depois de três dias, o deus da água teve acesso ao cadáver de Inanna . Ele a banou com a água da vida, ressuscitando Inanna, e ela voltou ao mundo superior trazendo a lua e toda  a vida de volta com ela.

Texto retirado do livro “Oráculo Sagrado das Deusas”, de Kris Waldherr

Ótima lunação a tod@s!


Mônica Azevedo

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Dia da Deusa Konohana Sakuya hime

Hoje no Japão comemora-se o dia da deusa Konohana Sakuya Hime, deusa das cerejeiras.
Seu nome significa "Senhora que faz as árvores florescerem".
Deusa ligada a natureza, a terra, a fertilidade e também ao fogo.
Neta da deusa Amaterasu, filha do deus da montanha Oho Yama Tsumi e esposa do deus Ninigi no Mikoto.
O mito conta que Sakuya Hime e Ninigi se encontraram no litoral e ficaram completamente apaixonados. Ninigi foi então pedir a mão de Sakuya para seu pai. Oho Yama propôs que Ninigi se casasse com sua filha mais velha, Iwa Naga, mas Ninigi estava decidido por seu amor. Oho Yama relutou mas aceitou o casamento entre Ningi e Sakuya.
Por Ningi ter rejeitado Iwa, deusa das pedras, a vida humana tornou-se curta e efêmera como as flores da cerejeira ao invés de estável e duradora como as pedras.

Em uma apenas noite Sakuya engravidou. Ninigi desconfiou da fidelidade da esposa e ela enfurecida, entrou numa cabana sem porta e em seguida ateou fogo. Ela prometeu que se seu filho saísse ileso era porque sua descendência era verdadeira. E assim, na cabana em meio as chamas, Sakuya deu à luz a três filhos (Hoderi, Hosuseri e Hoori).
Nos séculos XIV a XVI, Sakuya passou a ser associada também ao Monte Fuji, que é um vulcão. Ela passou a ser vista como heroína porque seus filhos sobreviveram a uma cabana em chamas. Santuários foram construídos e dedicados a ela aos pés do monte, e acredita-se que ela o mantem ativo.

No folclore popular conta-se que a Princesa Konohana Sakuya Hime caiu dos céus sobre uma cerejeira e assim se transformou símbolo dessas belas flores.


Obrigada,
Ana K.


Fontes: wikipedia e theia de thea.

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Minha Deusa da Lunação - 30/10 a 29/11/16: Deméter


Deméter, deusa grega da colheita, é considerada o arquétipo da mãe da deusa tríplice. Sua história ofereceu consolo através das eras para as mães de todos os lugares e serve para explicar as estações do ano.

Quando a filha de Deméter, Perséfone foi raptada por Plutão, deus do inferno, para toma-la como sua esposa, ela buscou sua filha até os confins da Terra. Deméter logo soube que Zeus permitira que Plutão se casasse com Perséfone. Com essa notícia, tristeza e fúria inundaram a deusa. Para que a terra refletisse sua mágoa, Deméter impediu todas as plantas de florescer e amadurecer, criando assim o inverno pela primeira vez.

O principal ritual associado à Deméter foi o Tesmofória, que permitia às mulheres processar as suas dores, respeitar sua tristeza e reconhecer sua divindade interior, semelhante à da deusa.

Texto retirado do livro “Oráculo Sagrado das Deusas”, de Kris Waldherr

Ótima lunação a tod@s!


Mônica Azevedo

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Minha Deusa da Lunação - 30/09 a 30/10/16: Aine


Deusa irlandesa do amor e da luz, Aine era cultuada na noite do solstício de verão. Associada ao Sol e à Lua, a popularidade de Aine é comprovada por santuários devotados a ela em todo o mundo celta. Algumas pessoas acreditam que durante a Idade Média a influência do cristianismo tenha desestimulado o culto de Aine. Mesmo assim, não podem seus poderes deixar de ser reconhecidos. Aine, a deusa da luz, foi transformada em leannan sidhe, uma rainha das fadas mágica, cujo poderes pode ser usados para diabruras.

História sobre Aine, a rainha das fadas: Uma delas averte que um namorico romântico com a Aine leva a uma morte extasiante – um conto popular provavelmente disseminado pelos monges cristãos, para estimular a monogamia. Outra história a venera como mãe das fadas, por meio de encontros com homens mortais. Como tal, sugere o poder do amor para espalhar magia pelo mundo.

Texto retirado do "Oráculo Sagrado das Deusas", de Kris Walderr

Ótima lunação a tod@s!

Mônica Azevedo



sábado, 17 de setembro de 2016

Conselho da Semana - Lua Cheia

Olá a tod@s!
O conselho para a semana de Lua Cheia é:


*Criando Sucesso e Dinheiro - Deepak Chopra

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...